A chegada de um segundo filho ou filha mexe com toda a família, mas principalmente com o primogênito. Ele tem que lidar com novos sentimentos, dividir o afeto dos pais e isso pode desencadear uma série de reações inesperadas, comportamentos agressivos e até mesmo regressão do desenvolvimento.

“É importante conversar muito com o primogênito, falar com ele e prepará-lo para a chegada do bebezinho, falar dos benefícios, que ele vai adquirir mais autonomia e que ele vai poder ajudar nos cuidados com o neném”, orienta a Psicóloga Crisdele Aparecida da Silva.

Reunimos outras dicas para preparar o filho ou filha  para a chegada do novo bebê.

Envolva o filho mais velho na gestação e nos cuidados com o bebê: deixe ele participar da escolha do nome, de itens do enxoval. Convide ele para conversar com o bebê e fazer carinho na barriga. Envolva ele nos cuidados, para ele se sentir importante e para estimular o sentimento de união.

Relembre o momento que ele também era bebê: reveja fotos antigas, de quando ele era bebê. Isso ajuda o mais velho a se colocar no lugar do mais novo. Mostre como ele também precisava de atenção e como ele era cuidado.

Não compense com presentes: a entrega de um presente com a chegada do irmão mais novo não deve representar uma compensação por uma possível culpa de dividir a atenção entre os filhos.

Evite mudar a rotina do primogênito: ele já estará se adaptando a muitas mudanças com a nova chegada. Evite trazer novas interferências, como uma retirada de chupeta ou mamadeira, troca de escola, etc.

A regressão é comum: voltar a fazer xixi na cama, voltar a tomar mamadeira ou outras atitudes podem ser comuns nessa fase de adaptação com a chegada do irmão ou irmã. Não repreenda com críticas, pois isso pode afetar sua autoestima.

Não faça comparações: isso também pode afetar a autoestima. Sempre procure estimular a admiração mútua.

Se você está na dúvida se é o momento certo de ter o segundo filho, lembre-se de avaliar a saúde física, emocional e financeira do meio familiar. A Psicóloga Crisdele lembra também de avaliar a gestão do tempo. “Devemos lembrar que a atenção entre os filhos deve ser dividida”, reforça.